página anterior
página seguinte
Dublin - Cidade de pubs e boas conversas

Cidade de pubs e boas conversas

Dublin Dublin Dublin Dublin

Quem por lá passou não disfarça o encanto. Dublin tem qualquer coisa. Se é dos pubs, dos vestígios dos Vikings, do humor irlandês, da música ou da vincada herança cultural não se sabe, mas vale a pena descobrir.

ruas bairro Temple Bar

Localizada numa baía desenhada pela foz do rio Liffey, a capital irlandesa pulsa de energia graças aos seus pubs lendários, lojas elegantes, belas galerias de arte, parques urbanos verdejantes, sofisticada arquitetura e turbulenta e fascinante história. Uma capital pequena, mas dinâmica e acolhedora, onde poderá passar uns dias fantásticos, entre passeios, pubs e boas conversas.

Ninguém gosta mais de Dublin do que os próprios irlandeses. Símbolo da cultura e da independência do país, Dublin é o espelho da (forte) personalidade irlandesa. É quase blasfémia pensar nas semelhanças entre os irlandeses e os vizinhos ingleses, porque estas reduzem-se a pequenos pormenores em nada marcantes. Já as diferenças notam-se nas formas de estar e receber, no sentido de humor e na simpatia que caracteriza este povo. Orgulhosos da sua independência, os irlandeses fizeram de Dublin o símbolo desse sentimento e fazem questão de falar sobre isso com os visitantes. Num pub ou num jardim, nunca se recusam a uma boa conversa.

A capital da Irlanda oferece cenários para todos os gostos. Da vida urbana às ruelas históricas de Temple Bar, Dublin é uma das cidades mais antigas da Europa, construída entre altas montanhas e o mar. Uma infinita oferta de atividades, divertimento e roteiros históricos que o vão deixar fascinado.

Túmulos Newgrange em Dublin Túmulos Knowth

Uma capital sobrevivente

O primeiro povoamento fixo de Dublin aconteceu com a chegada dos Vikings, que fundaram a cidade entre o ano 700 e 900, com a construção do Palácio do Rei, que ficava onde hoje se situa o Castelo de Dublin – os vestígios desse palácio, e de parte das muralhas da cidade, podem ainda ser vistos no edifício Undercroft. Bem antes disso, já havia população nesta região da ilha. Pensa-se que a Irlanda tenha sido habitada a partir do ano 6000 a.C., por povos da época mesolítica. Existem, contudo, marcas claras do período neolítico, como os túmulos de Newgrange e Knowth, no condado de  Meath, construídos em 3200 a.C. e mais antigos do que o Stonehenge, em Inglaterra, e do que as Pirâmides de Gizé, no Egito.

Ultrapassada a época de controlo dos povos nórdicos, Dublin sobreviveu a uma grande crise de fome, que assolou a ilha no início da segunda metade do século XIX e vitimou mais de um milhão de pessoas. Só mais tarde, em 1922, a República da Irlanda se tornou totalmente independente do Reino Unico. Este e outros fatores levaram a que os irlandeses tentassem a sorte fora do país, começando aí uma histórica vaga de emigração, que os conduziu a todos os pontos do Mundo, com grande incidência na América do Norte. Hoje, a diáspora irlandesa é composta por mais de 80 milhões de imigrantes.

Graças ao crescimento repentino da economia irlandesa nos anos 90, a Irlanda do séc. XXI é um país vibrante, culturalmente rico e de diversidade étnica, com uma perspetiva jovem e otimista, numa sociedade em que mais de metade da população tem menos de 30 anos.

Todos estes fatores fazem dos irlandeses um povo acolhedor, simpático, bem-humorado e sempre pronto a ajudar quem precisa. Dublin é uma capital europeia vibrante, culturalmente rica e artisticamente “deliciosa” para todos os amantes de arquitetura e raízes culturais.

Castelo de Dublin St. Patrick padroeiro de Dublin

Santidades e tradições

O mais santo conhecido da Irlanda não era sequer irlandês. Reza a lenda que St. Patrick foi o responsável pela introdução do cristianismo na ilha, a partir do século quinto século, depois de ter sido raptado à sua família inglesa por um grupo de salteadores irlandeses. Depois disso, foi levado para trabalhar como pastor, tendo jejuado durante 40 dias na montanha de Croagh Patrick, no condado de Mayo – local que é hoje procurado por crentes e peregrinos, que ali se reúnem todos os anos no último domingo do mês de Julho.

Tradicionalmente, veste-se uma peça de roupa verde no Dia Nacional da Irlanda, a 17 de março, sendo o trevo de três folhas o maior símbolo desta comemoração, por ter sido usado por St Patrick para explicar a Santíssima Trindade. A História irlandesa é igualmente rica em mitos e lendas de contos românticos, fadas, histórias celtas e palácios.

Festival St. Patrick ruas de Dublin St. Patrick

Concentrado Cultural

A zona de Temple Bar é uma das mais antigas da cidade. Conhecido como o coração de Dublin, este quarteirão é hoje um concentrado de atividades culturais dotado de uma dinâmica muito especial. Os relatos históricos contam que foi nesta zona que os Vikings se instalaram no século IX, tendo sido mantidos até hoje os traçados arquitetónicos originais da época.

Ainda assim, a mistura de traços e influências é notória, devido aos inúmeros estilos que pautam edifícios e ruas. A história de Temple Bar conta-se por entre inúmeras referências de design, artesanato, espetáculos e coffee shops. Aqui fica um dos teatros mais antigos da Europa, o Smock Alley, e a famosa canção Hallelujah, de Handel’s Messiah, foi primeiramente cantada aqui, em 1742, no Neal’s Musick Hall....

Premiado arquitetonicamente, Temple Bar é o bairro cultural de Dublin onde tudo acontece. Oferece, por isso, uma alternativa menos acelerada do que o centro da cidade, graças às inúmeras esplanadas e às ruas pedonais. Ao visitar esta zona, não deixe de passar por Meeting Square House, Temple Bar Square, Curved Street e Cow’s Lane.

bairro Temple Bar Cerveja Guinness

Haja música e cerveja preta

O culto dos pubs é algo muito próprio dos irlandeses, que são um povo cativante e simpático. Os bares são um local de divertimento e lazer, de boas conversas, boa cerveja e alguma música. Num pub pode filosofar sobre o significado da vida, debater a política global, ouvir poesia, acompanhar a batida de um instrumento de percussão, saborear uma dose de mexilhões ou, simplesmente, beber um copo em frente de uma lareira crepitante e acolhedora.

Música ao vivo no Temple Bar

Os mais típicos são o Sine e o Cobblestone, sendo este o mais antigo de Dublin. Por fora, pode até parecer um local duvidoso, de tão antigo que é; interiormente, é quase um museu, com jornais e velharias.

A maioria do pubs tem música irlandesa ao vivo. Muito conhecidos também são o Porterhouse, pela diversidade de cervejas, o Hooley Night, pelo espetáculo de dança, e o Jonhhie Fox, nas montanhas de Dublin, onde se come divinalmente.

Onde ir
Castelo de Dublin
Castelo de Dublin

Coração da parte histórica, é um castelo construído no local onde existia um lago negro, ou dubh linn, que está na génese do nome da cidade. Originário do século XIII, veio substituir alguns vestígios da passagem dos Vikings pelo local.

Catedral St. Patrick
Catedral St. Patrick

Construída em honra ao mais conhecido santo irlandês, tem contribuído para o desenvolvimento da cultura e da identidade de Dublin. De inspiração gótica, data do final do século XII.

Bairro de Kilmainham
Bairro de Kilmainham

Um passeio por esta zona de Dublin é imperdível. Não deixe de visitar a antiga prisão – que esteve em funcionamento entre 1796 e 1924 e é hoje uma das mais preservadas desse tempo –, o memorial à guerra e os edifícios do Royal Hospital.

Cervejaria Guinness
Cervejaria Guinness

É um dos pontos mais turísticos da cidade. Pela história, produção e conceção de uma das mais famosas cervejas a nível mundial, mas igualmente pelo acesso à melhor paisagem que se pode ter de Dublin, no Gravity Bar.

O’Connel Street
O’Connel Street

A avenida mais efervescente da cidade esteve submersa pelo mar até há pelo menos 500 anos. Tornou-se popular no século XVIII, devido às mansões de inspiração georgiana. Hoje, é o maior centro comercial ao ar livre da cidade.

Phoenix Park
Phoenix Park

O maior e mais concorrido parque urbano de Dublin oferece momentos de puro relaxamento e lazer, podendo ainda visitar um simpático jardim zoológico e observar diversas espécies animais e botânicas.

Universidade de Trinity
Universidade de Trinity

A visita à mais antiga universidade do país é obrigatória, essencialmente pela monumentalidade da antiga biblioteca, que guarda algumas relíquias literárias, como o Livro de Kells, escrito quase 800 anos antes de Cristo por monges irlandeses.

Dublinia
Dublinia

Local de culto medieval, é uma exposição composta por várias vertentes, que mostram a vida da cidade no tempo dos Vikings. Dos barcos de guerra às casas da altura, passando pelos mercados e pela animação das ruas.

Guia do Viajante

ver mapa maior

Dublin

onde dormir

Burlington Hotel

Maldron Hotel

Tara Towers Mercer

Hotel O’Callaghan Davenport

Hotel Hilton Dublin

Hotel Mount Herbert

Hotel The Clarence

Hotel Gresham

Hotel Clarion IFSC

onde comer

Whittefriar Grill

Queen of Tarts

Tiesan Café

Locks Brasserie

Honest to Goodness

One Pico

Gallagher’s Boxty House

The Larder

La Maison

The Blackboard Bistro

The Pig’s Ear

Green 19 Café

Taste of Emilia

The Exchequer

sabores especiais

Passando por Dublin, não pode deixar de desfrutar dum típico irish breakfast (muito semelhante ao pequeno-almoço inglês), experimentar o seafood chowder ou o bife típico (irish stew). Nas horas de convívio, para além da Guiness, existem muitas mais cervejas de qualidade bem como bons whiskies ou cidras. O whisky quente é tido como um excelente remédio para gripes e constipações...

informações

Moeda
Euro

Idioma
O inglês e o irlandês (ou gaélico) são as línguas oficiais.

Fuso horário
GMT/UTC

clima

Temperado e húmido, com ventos e alguma chuva; os invernos são suaves, com temperaturas que não sobem além dos 8º C, e os verões são frescos, com máximas a rondar os 20º C. Maio e junho são os meses com mais sol.

 

Texto: Ana Catarina Alberto | Fotos: Arquivo Impala, Wiki Commons e Flickr
edição 6 a próxima viagem