Palácio Nacional de Sintra recebe «Exposição de Camélias e Orquídeas»

Palácio Nacional de Sintra recebe «Exposição de Camélias e Orquídeas»

Palácio Nacional de Sintra recebe «Exposição de Camélias e Orquídeas»

Artigo de Redação

 

O terreiro do Palácio Nacional de Sintra vai receber, no fim de semana de 10 e 11 de março, a «Exposição de Camélias e Orquídeas», organizada pela Parques de Sintra, em colaboração com a Associação Portuguesa de Camélias (APC) e o Clube dos Orquidófilos de Portugal (COP). A mostra tem entrada gratuita e decorre anualmente para promover o valor botânico associado às camélias e orquídeas em Sintra.

A edição de 2018 pretende celebrar a relação cultural entre Portugal e a Ásia, tendo como ponto de ligação o gosto pelas várias espécies de camélias e orquídeas oriundas do continente asiático, e que são cultivadas nas quintas, jardins e casas portuguesas desde o séc. XIX.

A primeira camélia introduzida na Europa deverá ter chegado a Portugal no século XV. Já no séc. XIX, percebeu-se o seu potencial de cultivo no exterior, com propósitos ornamentais, e assistiu-se ao desenvolvimento de novas cultivares por colecionadores botânicos privados e viveiristas portugueses. Em Sintra, as camélias assumiram-se, então, como o ex-libris de inverno. D. Fernando II introduziu no Parque da Pena uma coleção fornecida pelos mais prestigiados viveiristas europeus, com realce para a coleção de cultivares portuguesas produzidas pelo viveirista Marques Loureiro, do Porto.

Em 2014, o estudo e a identificação dos 2258 exemplares de espécies e cultivares existentes no local culminou na classificação do Parque da Pena como Jardim de Camélias de Excelência, pela Associação Internacional de Camélias. De sublinhar ainda o valor botânico e a diversidade da coleção da Vila Sassetti.

As orquídeas, por sua vez, despertaram desde muito cedo a atenção de colecionadores botânicos, e também da casa real portuguesa e dos proprietários das quintas de Sintra. Nesta edição da «Exposição de Camélias e Orquídeas», estarão em destaque as espécies oriundas da Tailândia, Indonésia, China e Índia, entre outros países asiáticos.

Atividades paralelas

Na mostra será possível observar os melhores exemplares de camélias e orquídeas de cada um dos participantes. No dia 10, serão eleitas a melhor espécie de camélia e de orquídea em exposição; o melhor cultivar de camélia e de orquídea em exposição; a melhor mesa em exposição e também o melhor expositor de venda de camélias e orquídeas.

Este é o oitavo ano em que decorre a exposição de camélias em Sintra e o quarto ano de exposição de orquídeas. O evento conta ainda com um vasto programa de atividades, como visitas guiadas, workshops, espetáculos e palestras.

 

PROGRAMA:

– Sábado, 10 de março
10h00 – 18h00: Exposição e venda de orquídeas e camélias | Terreiro (entrada livre)

10h30 – 12h00/ 15h00 – 16h30: Visita guiada ao Parque da Pena “Camélias de Excelência”
Ponto de Encontro: Entrada Portão dos Lagos do Parque da Pena (gratuito, mediante inscrição. Máx. 20 pessoas)
O Jardim das Camélias, situado no Parque da Pena, foi distinguido em 2014 como «Jardim de Camélias de Excelência» pela Sociedade Internacional de Camélias, distinção sem precedente em Portugal. Ao longo desta visita é lançado o convite para conhecer os mais de 300 cultivares de camélias deste jardim, bem como a sua história, biologia e impacto sociocultural em Portugal e no mundo.

11h00/ 15h30: Demonstrações de propagação, envasamento e manutenção de Orquídeas | Terreiro (gratuito, limitado à capacidade do espaço)

11h30 – 12h30/ 12h30 – 13h30: Workshop de Ikebana (duração 1h00) | Area de Estar (Máx. 6 pessoas, gratuito mediante inscrição prévia)

Neste workshop de Ikebana os participantes terão a oportunidade de executar um arranjo floral, segundo as regras básicas desta arte milenar, praticada por monges budistas e guerreiros samurais. Serão utilizadas camélias dos jardins de Sintra. Com Rui Antunes.

12h00/ 16h00: Demonstrações de técnicas de propagação e poda de camélias | Terreiro (gratuito, limitado à capacidade do espaço)

14h30: Abertura oficial da Exposição | Terreiro (entrada livre)
– Entrega de distinções:
• Melhor espécie de camélia em exposição

• Melhor cultivar portuguesa de camélia em exposição
• Melhor mesa em exposição
• Melhor espécie de orquídea em exposição
• Melhor cultivar de orquídea em exposição
• Melhor expositor de venda de camélias e orquídeas

15h15 – 15h35: Dança do Leão e exibição de Kung Fu | Terreiro (entrada livre)

A Dança do Leão, trazida pelo Clube de Kung Fu Hong Long, é uma dança tradicional da cultura chinesa, usada em ocasiões festivas e em cerimónias oficiais. Tratando-se de uma prática muito exigente fisicamente, eram os praticantes de artes marciais que a dançavam. As escolas tradicionais de Kung Fu envolviam-se, por vezes, em animadas disputas, tentando ganhar o prémio para o melhor Leão a atuar.

O Kung Fu, a origem de todas as artes marciais, é uma prática que evoluiu da necessidade de defesa em tempos de guerra para uma forma de atingir a harmonia e a perfeição espiritual do ser humano. Hoje, para além desta vertente, existem igualmente as vertentes desportivas e de defesa pessoal, todas elas representadas pelo Clube Hong Long.

16h00 – 16h40/ 17h10 – 18h00: Teatro de Sombras “Namban-jin” | Terreiro do Palácio Nacional de Sintra (P/ maiores de 6 anos, limitado à capacidade do espaço)

«Namban-jin» é um conto original de Beniko Tanaka, uma fantasia baseada na pesquisa da relação histórica entre Portugal e Japão. No século XVI e XVII, os japoneses chamaram “Namban-jin” (os bárbaros do sul) aos portugueses que chegaram ao Japão.

À medida que a parceria entre as duas civilizações crescia, o desejo do jovem herói Ichirô de descrever esses amigos estranhos e grandes também cresceu, queria viajar com os amigos de Namban-jin. Mas o seu pai queria que ele fosse antes um excelente samurai. Será que esse encontro de culturas será logo esquecido, ou Ichirô lutará contra o pai?

O espetáculo tem a duração de 20 minutos. No fim, o público pode experimentar fazer teatro de sombras.
Beniko Tanaka (autoria e interpretação)

 

 

– Domingo, 11 de março

10h00 – 18h00: Exposição e venda de orquídeas e camélias | Terreiro (entrada livre)

10h00: Visita guiada ao Palácio Nacional de Sintra: Relação Portugal-Ásia

Ponto de Encontro: Entrada Palácio Nacional de Sintra (gratuito, mediante inscrição. Máx. 20 pessoas)

Sintra foi classificada pela UNESCO em 1995 como Paisagem Cultural da Humanidade, mas a proteção do património começou antes. O Palácio Nacional de Sintra, junto ao cabo mais ocidental da Europa continental, está associado a importantes momentos históricos em que os portugueses se projetaram em relação ao ‘outro’, incorporando na sua cultura ‘vocábulos’ de aquém e além-mar, que permitiram a construção de novas estéticas e meios de compreender o mundo. Estranho, ou não, foi pelo extremo Ocidente que o exótico entrou e ganhou raízes.

Na visita guiada ao Palácio Nacional de Sintra, será explorada a relação do monumento e da sua História com a Ásia.

11h00/ 15h30: Demonstrações de propagação, envasamento e manutenção de orquídeas | Terreiro (gratuito, limitado à capacidade do espaço)

11h00 – 11h30: Palestra «’De onde vêm eles?’ – Identidades ‘asiáticas’ dos portugueses nos séculos XV e XVII» – Professor Jorge Santos Alves | Área de Estar (gratuito, limitado à capacidade do espaço)

«De onde vêm eles?» – Identidades «asiáticas» dos portugueses nos séculos XV e XVII.
Ao longo dos séculos XVI e XVII, os portugueses foram assumindo várias identidades na Ásia. Quase todas elas asiáticas e quase nenhuma europeia. A mundividência de muitas das sociedades e culturas asiáticas não abrangia a Europa, e muito menos Portugal, razão pela qual admitiam uma origem asiática para os portugueses. Essa origem era, em muitos casos, confusa e nebulosa, mas permitiu aos portugueses um rápido e bem-sucedido encaixe no mundo asiático. Nesta apresentação veremos algumas destas identidades sobretudo para a Ásia Oriental.
Professor Jorge Santos Alves

12h00 – 13h00: Palestra “Portugal – Ásia: Uma ligação através das Camélias e Orquídeas” – Professor Armando Oliveira e Manuel Lucas | Área de Estar (gratuito, limitado à capacidade do espaço)
Moderadora: Eduarda Paz

«As primeiras camélias asiáticas a chegar a Portugal e à Europa»
Apresentação cronológica da entrada na Europa da camélia e das suas diferentes variedades e  a dificuldade da sua identificação, tendo por base a descrição dos catálogos da época e as estampas então produzidas por comparação com fotografias obtidas no terreno.
Professor Armando Oliveira«

«Orquídeas – Símbolo do exotismo e mistério asiáticos»

A Ásia é o continente do exotismo e do mistério e é também o continente das orquídeas. Ali crescem espécies com apenas alguns milímetros e outras que alcançam mais de três metros de altura e várias toneladas de peso. Algumas têm fragâncias aromáticas e outras imitam odores nauseabundos. Viajaremos então a alguns destes lugares, onde as orquídeas personificam esse exotismo e mistério, bem como a magia e o fascínio.
Manuel Lucas

12h00/ 16h00: Demonstrações de técnicas de propagação e poda de Camélias

14h00 – 15:20: Palestra «Fragrâncias com Personalidades: O Simbolismo das Flores na Cultura Chinesa» – Professora Zhou Shenglan e «Festividades sazonais e flores no Japão» – Professora Yuko Kase | | Área de Estar (gratuito, mediante inscrição. Máx. 30 pessoas)

Fragrâncias com Personalidades: O Simbolismo das Flores na Cultura Chinesa
Esta apresentação tem como objetivo dar a conhecer as flores mais apreciadas da cultura chinesa e o seu simbolismo. Na apresentação será abordada também a utilização das flores na vida material chinesa (efeitos medicinais, gastronomia, maquilhagem, etc.) e também a sua importância na criação das artes chinesas (literatura, pintura, artefactos).
Zhou Shenglan

Festividades sazonais e flores no Japão
Os japoneses abençoados pela riqueza paisagística, e com os marcos bem definidos das quatro estações do ano, sempre mantiveram estreito contato com a Natureza. Como veremos nesta apresentação, os laços são particularmente fortes com as plantas e flores. A forma como as acarinham e os nomes que lhes dão são elementos indispensáveis para entender a cultura nipónica.
Yuko Kase

16h30 – 17h30: Workshop “As Flores e a sabedoria antiga do Feng Shui” | Área de Estar (gratuito, limitado à capacidade do espaço)

Durante cerca de 1 hora, serão abordadas as qualidades das flores associadas aos princípios do Feng Shui.
Com Alexandra Morgado

 

Como participar:

– Todas as inscrições devem ser feitas até dia 2 de março, para o email info@parquesdesintra.pt, ou por telefone através do 219 237 300. A inscrição é finalizada após receção de email com a confirmação.
– As atividades no exterior poderão ser canceladas caso as condições meteorológicas sejam adversas.

< >

Compartilhe o artigo

Top