6 dias fantásticos nos Açores entre as ilhas do Faial, Terceira e São Miguel

6 dias fantásticos nos Açores entre as ilhas do Faial, Terceira e São Miguel

6 dias fantásticos nos Açores entre as ilhas do Faial, Terceira e São Miguel

Artigo de André Cruz Martins

Para muitos, o arquipélago dos Açores é a mais bonita região de Portugal. É constituído por nove ilhas, cada qual com as suas especificidades e beleza inconfundível. Seis dias é pouco para explorar na plenitude o arquipélago, mas o comum dos mortais tem limitações de tempo (leia-se férias) e orçamento. Pode no entanto ter a certeza de que lhe vamos sugerir os pontos que não pode mesmo perder nas ilhas do Faial, Terceira e São Miguel.

Tire partido do facto de operadoras low cost já viajarem para os Açores, com a viagem a ser mais barata do que acontecia até há poucos anos. Logo a seguir a aterrar, alugue um carro e depois é só seguir as nossas indicações e partir à descoberta deste maravilhoso arquipélago.

Dia 1 – Lisboa-Horta (ilha do Faial)

A Horta, capital do Faial, vai ser o seu primeiro destino. Tem a alcunha de “Ilha Azul”, devido às hortênsias que encontramos um pouco por todo o lado. Com cerca de 15 mil habitantes e uma superfície de 173 quilómetros quadrados, é a quinta maior ilha do arquipélago. Se o seu voo for de manhã, vai ter boa parte da tarde disponível.

Leia também: Os 10 locais mais altos de Portugal: as vistas deslumbrantes e o que fazer nas proximidades

Comece por se deslocar à Caldeira, localizada no centro da cidade. Trata-se de uma enorme cratera do vulcão que esteve na origem da ilha. É possível descer até ao fundo da caldeira, num trilho com oito quilómetros de extensão, que demora em média duas horas e meia a cumprir. O trilho começa e termina no Miradouro da Caldeira e é possível encontrar a exuberância da Laurissilva húmida. O vulcão tem uma profundidade média de 400 metros.

Delicie-se com o peixe do restaurante Genuíno

De seguida, pode ir ao hotel refrescar-se, antes de sair para jantar. Para alojamento, sugerimos o Hotel Horta de 4 estrelas, no centro da cidade, com preços a partir de 85 euros por noite. Para jantar, sugerimos o restaurante Genuíno, no centro, especializado em peixe fresco e mariscos. Depois do jantar, vá até à marina, ponto de paragem dos barcos que atravessam o Oceano Atlântico. E não deixe de passar pelo Peter’s Café Sport, que em 1968 foi considerado o melhor bar do mundo pela revista “Newsweek”. Hoje em dia, mantém a qualidade, sendo conhecido pelos seus fantásticos gins e pelas tostas de queijo com ananás.

Dia 2: O Monte da Guia e a Caldeira do Cabeço Gordo

Comece o dia com vistas deslumbrantes, subindo ao Monte da Guia. Trata-se de um antigo vulcão com origem no mar que se juntou à ilha do Faial. Daqui terá uma excelente panorâmica sobre a Baía de Porto Pim. Depois, é tempo de partir rumo à Caldeira do Cabeço Gordo, situada na freguesia do Capelo. É aqui que fica o ponto mais elevado do Faial, estando o seu miradouro 1043 metros de altitude acima do nível do mar. Se houver boas condições de visibilidade, vai avistar o Pico, a montanha mais alta de Portugal, com 2531 metros de altura.

Uma praia e atividades marítimas

Da parte da tarde, se apreciar praia, desloque-se às praias de Porto Pim ou da Conceição, isto se não se importar com a a areia de cor escura. Na Horta é também possível realizar atividades como observação de cetáceos, natação com golfinho, mergulho e passeios de barco. Um excelente restaurante para jantar neste segundo dia na Horta é o Capote. Em frente ao mar, pode deliciar-se com o magnífico queijo São Jorge como entrada, peixe e marisco frescos e magnífica carne, destacando-se a espetada.

Dia 3: Horta-Angra do Heroísmo (Ilha Terceira)

O terceiro dia começa com uma curta viagem de avião entre a Horta e Angra do Heroísmo, capital da ilha Terceira. Para alojamento na cidade, sugerimos o Azoris Angra Garden, um hotel de 4 estrelas na praça principal da cidade, com preços a partir de 80 euros por noite. Angra do Heroísmo tem pouco mais de 10 mil habitantes e destaca-se pelo centro histórico, Património Mundial da Humanidade desde 1983.

Leia ainda: Pico, tudo o que precisa de saber sobre a caminhada até ao ponto mais alto de Portugal

Não deixe de visitar a Sé Catedral, a maior igreja dos Açores. Na fachada principal, destaca-se o alto frontão com relógio, que ali colocado em 1782) e o campanário e duas torres sineiras laterais.
Outra igreja bastante interessante é a Catedral do Santíssimo Salvador, em estilo gótico tardio com “pinceladas” de maneirismo. Já o Convento e a Igreja de São Francisco destacam-se pelos ricos interiores com azulejaria, talha dourada e pintura.

Mais uma igreja e o lindo Monte Brasil

Da parte da tarde, continue a explorar o centro histórico, começando pela Igreja da Misericórdia, finalizada no início do século XVIII. Em estilo barroco, tem uma nave central ladeada por duas torres sineiras com zimbório. Depois, pode deslocar-se ao Monte Brasil, nas imediações de Angra do Heroísmo. Trata-se de um vulcão extinto, fortificado em toda a volta pelo Forte de São João. Mas a grande atração é a Reserva Florestal de Recreio do Monte Brasil, com muitas espécies animais e zonas de lazer para crianças.

Dia 4: Muito ainda a descobrir em Angra do Heroísmo

Comece o dia visitando a Praia da Vitória, a segunda maior cidade da ilha Terceira. No seu centro histórico bem preservado encontramos alguns monumentos que vale a pena conhecer. Nomeadamente a Igreja Matriz do século XV, o Forte de Santa Catarina, a Igreja do Senhor Santo Cristo, do século XVI e as Ermidas de Nossa Senhora dos Remédios.

Leia também: 10 cidades europeias baratas para visitar em 2019

Visite ainda a Casa Museu de Vitorino Nemésio, onde nasceu este grande poeta português. Aqui poderá encontrar diversas peças pertencentes ao escritor e vídeos de várias entrevistas e filmagens suas. Nos arredores da Praia da Vitória encontra-se a Serra do Cume, de cujo topo tem-se uma vista deslumbrante sobre a Praia da Vitória.

Uma reserva natural e as piscinas naturais

Agora é tempo para partir em direção ao Miradouro da Serra do Cume. Do cimo deste miradouro tem-se uma vista fantástica para a chamada Manta de Retalhos, a divisão dos campos agrícolas. Ainda pelo concelho da Praia da Vitória, descubra a Reserva Natural da Alagoa da Fajãzinha. Esta zona costeira encontra-se classificada como Reserva Natural dada a sua biodiversidade e as suas características geológicas – a quebra por afundamento da placa rochosa circundante. Pode terminar por explorar a Terceira visitando as Piscinas Naturais das Quatro Ribeiras. Encontram-se no nordeste da ilha e são formadas por rocha vulcânica, rodeadas de abundante vegetação.

Dia 5: Chegada a São Miguel, o paraíso na Terra

Comece o dia a viajar para Ponta Delgada, capital da ilha de São Miguel. Não é exagero se dissermos que chegou ao paraíso na Terra, pois aqui vai desfrutar de indescritíveis paisagens, não sendo por acaso que São Miguel é conhecido pela “ilha verde”.
Aviso prévio: não estranhe a presença de muitas vacas, que andam literalmente por todo o lado. Aliás, até pode ser surpreendido a meio da noite por uma manada no meio da estrada, que não o vai deixar passar. O seu único remédio é esperar que os animais passem e deixem a estrada desimpedida. Como alojamento, aconselhamos o Azoris Royal Garden, um 4 estrelas no centro de São Miguel com preços a partir de 120 euros por noite.

Vistas e mais vistas deslumbrantes

O seu primeiro local de passagem será o Miradouro Pico do Carvão, de onde é possível avistar as costas norte e sul da ilha e alguma da zona central, onde se destacam muitos cones vulcânicos. Depois, siga para as Lagoas Empadadas, localizadas perto da Lagoa das Sete Cidade. São um conjunto de pequenas lagoas rodeadas por um líndissimo bosque. A próxima paragem é o Miradouro da Vista do Rei, que oferece uma vista deslumbrante sobre a Lagoa das Sete Cidades, o mais conhecido postal dos Açores. Pode descer à lagoa de Santiago, no caminho em direção à Lagoa das Sete Cidades.

Mosteiros, uma localidade com banhos quentes

É tempo de seguir para as Piscinas Naturais de Mosteiros, onde pode banhar-se nas suas águas cristalinas. Estas piscinas surgiram devido à atividade vulcânica e à ação do mar. Se quiser continuar a banhos, dirija-se para a Caldeira Velha. Uma zona de vulcanismo secundário com um sistema de nascentes termais que caem em cascata numa pequena represa de águas acastanhadas devido à grande abundância de ferro. A água atinge temperaturas acima dos 30 graus.

A Lagoa do Fogo e um jantar inesquecível

Pode terminar a tarde observando a Lagoa do Fogo, a segunda maior lagoa da Ilha de São Miguel e que tem a classificação de Reserva Natural desde 1974. Ocupa cerca de 1400 hectares na caldeira de um vulcão inativo, originando o grande maciço vulcânico da Serra de Água de Pau. Chega a atingir os 30 metros de profundidade. É possível fazer um passeio pedestre por esta maravilhosa lagoa. Para jantar, delicie-se com os sabores do restaurante Paladares da Quinta, em Canada de Santa Bárbara. O cabrito assado e a abrótea no forno a lenha são excelentes opções.

Dia 6: As furnas e uma road trip a terminar

O sexto dia começa nas Furnas, uma freguesia do concelho da Povoação. Conhecida pelas suas caldeiras, em permanente ebulição, ou não estivéssemos em terras altamente vulcânicas. Este local destaca-se pelas águas termais e pelas suas caldeiras e piscinas térmicas.

Visite a magnífica Lagoa das Furnas, que apresenta grande riqueza de fauna e flora. Ali ao lado, fica o parque Terra Nostra, ideal para respirar ar puro. Com uma vasta área de 12,5 hectares, fica na cratera de um vulcão cuja última erupção ocorreu em 1630. A grande atração do parque é o enorme tanque de água termal, em que a água está sempre em redor dos 40 graus, proporcionando momentos de grande relaxamento.

Leia ainda: À descoberta de Turku, o paraíso escondido na Finlândia

Num dos pontos da Lagoa das Furnas estão buracos no chão vulcânico, onde se colocam os cozinhados, dentro de tachos. Não deixe de experimentar o famoso cozido das furnas. Em tudo semelhante ao cozido à portuguesa, mas com sabor um pouco diferente, por ser cozinhado debaixo da terra.

Na sua última tarde nos Açores pode dedicar-se a uma road trip no nordeste de São Miguel, que preserva a sua beleza selvagem. Passe pela Ponta da Ribeira, Ponta do Amel e terminando na Ponta Redonda. A estrada estão cheias de enseadas e quedas de água, assim como miradouros que proporcionam paisagens fantásticas.

Percorra a galeria e veja as melhores imagens deste incrível percurso pelos Açores.

< >

Partilhar Artigo

Top