Cerca de 4 em cada 10 passageiros sentem-se maltratados pelas companhias aéreas

Cerca de 4 em cada 10 passageiros sentem-se maltratados pelas companhias aéreas

Cerca de 4 em cada 10 passageiros sentem-se maltratados pelas companhias aéreas

Artigo de Redação

37 por cento dos passageiros europeus sentem-se maltratados pelas companhias aéreas. Este é o resultado de um estudo representativo realizado pela AirHelp, o portal líder mundial de apoio aos passageiros aéreos. De acordo com o estudo, que inclui as respostas de 7.103 pessoas, um em cada cinco viajantes que experienciaram perturbações num voo foram abandonados pela companhia aérea no aeroporto quando o voo se atrasou ou não receberam informação suficiente, apoio ou comida e bebida quando o voo foi cancelado.

De acordo com o regulamento europeu EC 261, as companhias aéreas devem providenciar aos seus passageiros refeições e bebidas, assim como os meios para fazer dois telefonemas ou enviar dois e-mails, caso o seu voo (com uma distancia superior a 1.500 km) sofra um atraso superior a duas horas. Se necessário, as companhias devem também providenciar acomodação e transporte.

Mas existem outras razões pelas quais os passageiros se queixam do mau serviço prestado pelas companhias aéreas. Por exemplo, 14 por cento dos passageiros entrevistados pela AirHelp referiram que têm pouco espaço para as pernas durante os voos. Cerca de um em cada 10 foi também confrontado por membros antipáticos do staff. Sete por cento dos inquiridos tiveram de fazer check-in da bagagem de mão, quatro por cento necessitaram de trocar os seus lugares reservados no avião e cinco por cento tiveram de pagar custos omitidos pela companhia.

Bernardo Pinto, Brand Manager da AirHelp, comenta os resultados do estudo:

«Há anos que existe um excesso de oferta de companhias aéreas na Europa, o que tem levado a uma guerra de preços, especialmente em rotas de férias populares. Como consequência, as companhias aéreas cancelam muitos serviços às custas de seus passageiros, com o objetivo de maximizar os lucros. Entre outras medidas, são instaladas mais filas de bancos nos aviões, para que seja possível transportar o máximo de passageiros. Além disso, os critérios de recrutamento do pessoal tornaram-se mais baixos e, por vezes, os viajantes apenas são autorizados a viajar com bagagem de mão.»

«Como resultado, os passageiros têm menos espaço para as pernas, são atendidos por funcionários rudes e não conseguem sequer acomodar a sua bagagem devido à falta de espaço. Os resultados do nosso estudo mostram que cerca de quatro em cada 10 passageiros europeus sentem que são maltratados pelas companhias aéreas. As companhias aéreas têm o dever de agir de forma orientada para o cliente, para recuperar a confiança dos seus passageiros.»

Problemas em voos: estes são os direitos dos passageiros

No caso de atrasos, cancelamentos de voos ou impedimento de embarque, os passageiros podem ter direito a uma compensação até 600 euros por pessoa, em determinadas circunstâncias. As condições para que tal aconteça determinam que o aeroporto de partida se encontre dentro da UE ou que a companhia aérea tenha sede na UE. Além disso, a razão da perturbação deve ser causada pela companhia. O direito à compensação financeira deve ser reclamado no prazo de três anos a contar da data da perturbação.

Por outro lado, circunstâncias extraordinárias como tempestades ou emergências médicas isentam as companhias da obrigação de compensar os passageiros.

App da AirHelp deteta voos elegíveis nos últimos três anos

No início deste ano, a AirHelp lançou uma ferramenta para ajudar os viajantes a saberem se os seus voos são elegíveis para uma compensação. O aplicativo concentra-se especificamente em voos qualificados para compensação e, com permissão do utilizador, pode verificar voos realizados até três anos antes.

Para isso, basta conectar a caixa de entrada de e-mail de um viajante com o site airhelp.pt. Com a app da AirHelp, os passageiros afetados podem verificar a elegibilidade do voo mesmo estando no aeroporto.

A app analisa automaticamente se um problema de voo está qualificado para compensação e regista um pedido de compensação em segundos.

A app AirHelp é gratuita e está disponível na Google Play Store e na Apple App Store.

Partilhar Artigo

Top