6 curiosidades que desconhece sobre viagens de avião

6 curiosidades que desconhece sobre viagens de avião

6 curiosidades que desconhece sobre viagens de avião

Artigo de Hugo Mesquita 03-04-2019

03-04-2019


Viajar de avião é cada vez mais comum. A globalização não se encontra apenas nas novas tecnologias. As pessoas procuram cada vez mais viajar e conhecer novos sítios e loucuras e, naturalmente, o avião é o meio de transporte mais requisitado. Ainda, assim, estas viagens escondem várias curiosidades que passam completamente despercebidas pelo comum dos mortais. Sabia, por exemplo, que os pilotos preferem uma aterragem mais complicada? Mas há muito mais.

Leia ainda: 5 capitais europeias onde pode fazer muita coisa à borla

Aterragem difícil. Num questionário feito a pilotos de avião pelo Telegraph Travel sobre que aeroportos preferem aterrar,  as respostas mais comuns foram aeroportos com pistas complicadas de aterrar, como Nápoles, Madeira, Innsbruck e Gibraltar.

Pilotos têm direito a comida especial. Para evitar uma possível contaminação na comida das companhias aéreas, os pilotos têm direito a uma refeição diferente da dos passageiros.

Relâmpagos. Sabia que, em média, um avião é atingido pelo menos uma vez por ano por um relâmpago? Estes acontecimentos são comuns e os aviões são construídos para conseguir lidar com esse problema.

10 aeroportos que metem medo, muito medo

Atrasos estão programados

Escolha os lugares no meio. Os lugares mais seguros num avião são os mais próximos das asas. « Num acidente, as pessoas nas filas do fim do avião são as primeiras a morrer e de seguida são as pessoas sentadas mais à frente», segundo John Nance, analista de segurança da aviação.

Durações de voo exageradas. As companhias tendem a aumentar as previsões de tempo de voo de modo a que, em caso de atraso, ainda esteja oficialmente dentro do tempo.

Máscaras de oxigénio só por 15 minutos. As típicas máscaras de oxigénio presentes nos aviões só têm 15 minutos de duração. Ainda assim, isso não é preocupante. Esse tempo é suficiente para que os pilotos cheguem a uma altitude mais baixa, onde as pessoas já conseguem respirar normalmente.

Partilhar Artigo

Top