Lisboa foi a quarta cidade europeia com maior taxa de ocupação hoteleira

Lisboa foi a quarta cidade europeia com maior taxa de ocupação hoteleira

Lisboa foi a quarta cidade europeia com maior taxa de ocupação hoteleira

Artigo de André Cruz Martins

Quem habita ou passa frequentemente por Lisboa não deixa de notar o afluxo crescente de turistas pelas ruas da capital. E os números comprovam essa verdadeira invasão: de acordo com a 14ª edição do Atlas da Hotelaria da Deloitte, em 2018 Lisboa foi a quarta cidade europeia com maior taxa de ocupação hoteleira, registando 75,7%. E foi apenas ultrapassada por Paris, Londres e Amesterdão. A nível nacional, a Madeira também registou excelentes resultados a nível da taxa de ocupação em 2018 (74%). A região norte teve 64,1%, o Algarve 64% e os Açores 60%. O Alentejo ficou-se pelos 53,6% e o centro pelos 46%.

57 novos hotéis em Portugal no ano de 2019

Para fazer face a esta enorme procura, foram construídos 22 novos hotéis em Lisboa no ano de 2019. O número mostra bem a predominância da capital, pois significou 39 por cento das novas unidades hoteleiras em Portugal. Foram ainda construídos 16 na região norte, cinco no centro, cinco na Madeira, quatro no Algarve, três no Alentejo e dois nos Açores. No total, abriram 57 hotéis no país ao longo do ano. Quanto aos maiores grupos hoteleiros, a liderança continua a ser do Grupo Pestana. Em segundo lugar aparece o Grupo Vilá Galé e a fechar o pódio os Accor Hotels.

Lisboa é a cidade mais atrativa para investimento hoteleiro

Para os próximos anos não se perspetivam grandes alterações. Lisboa está definitivamente na moda, como se prova pelos resultados de um survey efetuado pela Deloitte junto de investidores internacionais no setor do turismo. De forma esmagadora (43 por cento), foi apontada como a mais atrativa cidade europeia para o investimento hoteleiro em 2020. Não há nenhum destino que se aproxime, havendo quatro que partilham o segundo lugar, com distantes 14 por centro das preferências: Londres, Amesterdão, Dublin a Barcelona.

Leia ainda: Beer Party junta algumas das melhores cervejas do mundo

O Atlas da Hotelaria de 2018 da Deloitte analisou igualmente a oferta de alojamento em Portugal, bem como a sua distribuição no território nacional. Cerca de metade dos inquiridos (48%) acredita que o mercado nacional de hotelaria se encontra na fase de pico de investimento. Porto (57%) e Lisboa (57%) foram identificadas como as cidades portuguesas mais atrativas para investimento hoteleiro em 2020.

62% dos inquiridos acredita que os grupos hoteleiros internacionais serão os principais financiadores do investimento neste setor em Portugal. 57% e 29% elegeram, ainda, as sociedades gestoras de fundos de investimento e as Private Equity, respetivamente, como principais fontes de investimento para o setor. Espera-se que o capital seja essencialmente de origem europeia (62%), nomeadamente de Portugal (48%).

Riscos e desafios para o futuro próximo

Este estudo debruçou-se ainda sobre os riscos que a indústria hoteleira portuguesa enfrentará nos próximos cinco anos. A principal preocupação tem a ver com o crescimento dos mercados concorrentes (81%), logo seguida pela dificuldade em contratar mão-de- obra qualificada (62%). Já no contexto europeu, existe um grande receio de possíveis ataques terroristas (67%), seguido do crescimento da economia (63%) e de eventuais tensões políticas (58%).

O maior desafio para os investidores nos próximos cinco anos é a retenção de recursos humanos qualificados (79% das respostas). No segundo lugar surge a atração e fidelização de novos clientes, associado às preferências dos jovens millennials, com 57%.

Percorra a galeria e conheça alguns destes dados sobre Lisboa, mas não só.

< >

Partilhar Artigo

Top