Viagens pós-Covid: 6 dicas para a poupar na próxima viagem

Viagens pós-Covid: 6 dicas para a poupar na próxima viagem

Viagens pós-Covid: 6 dicas para a poupar na próxima viagem

Artigo de Redação 16-07-2021

16-07-2021


Assim que a pandemia da Covid-19 chegou em março de 2020, a população viu-se obrigada a confinar e, consequentemente, a adiar todas as suas viagens. Para quem adora meter-se num avião, a saudade já aperta. É por isso que com a vacinação em rápido andamento e com os certificados digitais Covid já disponíveis, já se consegue ver a luz ao fundo do túnel e começar a pensar em aventurar-se para além fronteiras.

Mesmo assim, esta pode ser uma altura mais complicada para despender de algum dinheiro do seu orçamento para tirar umas férias “bem tiradas”. A pandemia também trouxe consigo uma crise financeira e muita incerteza, o que pode ser um entrave para viagens mais impulsivas. O melhor é que tudo é possível. Por isso, damos-lhe algumas dicas de poupança para conseguir tirar uns dias e mudar de ares – o que faz bem tanto ao corpo como à mente.

1. Planeie o destino

Para muitas pessoas, lá se vão os tempos em que era possível ir numa escapadinha de fim de semana para um país europeu. Com a pandemia, alguns portugueses tiveram de melhorar a gestão das suas finanças pessoais e cortar com gastos que não são estritamente necessários. Por isso, uma grande ajuda será marcar a sua próxima viagem mais cedo. É verdade que existem alguns descontos de última hora, mas quanto mais cedo comprar a viagem, mais barata esta ficará. Além disso, ainda terá mais tempo para planear a viagem e decidir o que fazer no seu destino escolhido.

Assim, vai conseguir as opções mais baratas que, geralmente, são as primeiras a esgotar. Pode também optar por viajar durante a época baixa, que varia de destino para destino. Ainda pode escolher marcar a sua ida e volta em dias da semana e a horas em que, apesar de sacrificar horários mais confortáveis, lhe garantem poupar um bom valor.

2. Viaje leve

Mesmo que pretenda ficar fora durante uma semana (ou mais), não existe a necessidade de levar o seu roupeiro todo atrás. Hoje em dia, mesmo as companhias aéreas low-cost já cobram bagagem, tanto de mão como de porão. Ou seja, são mais gastos para além do valor dos bilhetes. É por isso que deve preparar com antecedência os seus outfits e coordenar algumas peças de forma a poder repeti-las com conjuntos diferentes. Use no dia da viagem as peças mais pesadas, como botas ou casacos mais quentes.

3. Faça uma boa gestão do seu orçamento antes de viajar

Muitas pessoas tendem a pensar que apenas o subsídio de férias pode ser o suficiente para arcar com as despesas das viagens. Mas o que pode realmente ajudar será ter uma boa organização do orçamento mensal antes sequer de fazer as malas. Uma boa gestão entre os rendimentos e as despesas mensais habituais dar-lhe-á uma noção do dinheiro que sobra mensalmente para ir colocando de parte. Depois, o subsídio ainda ajuda a que se possa mimar mais nos dias que estiver fora. Assim, e para que as férias não signifiquem um desequilíbrio financeiro, o mais importante é estabelecer quanto pode gastar e ter a certeza que não falhará com os seus pagamentos quando voltar.

Caso queria fazer mesmo a viagem dos seus sonhos para destinos paradisíacos que fogem bastante ao que tem nas poupanças, já existem soluções financeiras de crédito pessoal para viagens com condições mais ajustadas a este tipo de finalidade. Por exemplo, o crédito pessoal Cofidis para férias possibilita que sejam aplicadas taxas de juro mais baixas do que as de um empréstimo “normal”, reduzindo a prestação a pagar. Ainda é disponibilizado um cartão de benefícios Cofidis para ter até 50% de desconto em alguns alojamentos, restaurantes e agências de viagens parceiros da instituição financeira. Mas atenção, estas opções só são para serem consideradas se tiver a certeza que consegue juntar essa prestação às suas despesas mensais e não entrar em incumprimento.

4. Faça reservas com antecedência

Neste ponto, existem dois tipos de reserva que tem de levar em conta: as de alojamento e de atrações turísticas. Nada como chegar ao seu destino e já ter tudo tratado, tendo mais tempo para aproveitar, descansar e apreciar o local onde se encontra. Para encontrar um sítio mais barato para dormir, procure em sites de reserva especializados como o Booking ou o Airbnb. Mas a grande dica é: assim que encontrar o nome de um hotel, hostel ou residência, procure-a no google para aceder ao website da hospedagem. Por vezes, o valor total da estadia fica mais barato se pagar diretamente ao local onde vai ficar a dormir já que não são cobradas taxas extra para os sites de agência de alojamento.

Se for com mais pessoas e optar por locais de praia, porque não passar alguns dias num parque de campismo? Certamente será mais próximo da praia e poderá poupar bastante neste tipo de opção. Já em relação a reservas de atrações, primeiro deverá limitar os locais a visitar. Não é preciso ver todas as atrações para conseguir ter uma viagem prazerosa. Além disso, depois andará numa correria e ficará com pouco tempo para parar e respirar. Um conselho será fazer uma pequena busca pelas principais atrações turísticas que sabe que não vai mesmo querer perder e analisar como se processa a compra de bilhetes. Por exemplo, para visitar o interior do Parque Guell, em Barcelona, terá de comprar bilhetes com dias de antecedência devido à grande afluência no local. Não há nada mais chato que chegar ao sítio que quer visitar e não poder entrar.

5. Tenha algum dinheiro em mão

Sempre que levanta dinheiro no estrangeiro com o seu cartão, essa ação vem acompanhada de taxas altas que retiram ainda mais dinheiro do seu orçamento. Essas taxas são aplicadas pela transação internacional ou até pela conversão da moeda, se esse for o caso. Por isso, há que reduzir a frequência dos levantamentos, retirando uma maior quantia de cada vez que se desloca a uma caixa multibanco. Mas claro, os cuidados também terão de ser redobrados. Também pode optar por adquirir um cartão de um banco online que só cobre taxas de levantamento quando atinge um certo valor, como é o caso do cartão Revolut.

6. Atenção às refeições em restaurantes

Uma das maiores vantagens de viajar é conhecer novas gastronomias e descobrir pratos e sabores diferentes do seu cotidiano. Além disso, terá sempre de fazer refeições todos os dias, por isso é juntar o útil ao agradável. Mas calma! E se, em vez de fazer todas as refeições fora, não opta por uma refeição ligeira ou até confecionada por si no alojamento e outra num bom restaurante local?

Assim, consegue ir poupando enquanto também não perde a oportunidade de comer algo diferente. Outra dica será optar por restaurantes longe das praias e dos grandes centros turísticos e perguntar aos locais quais são os grandes “segredos escondidos” da cidade. E, lá está, comer como um local também significa ir ao supermercado e ver os produtos tradicionais do destino. Ao aplicar estas dicas, será mais fácil atingir o equilíbrio entre o que pretende e o que é possível dentro da sua situação financeira.

Partilhar Artigo

Top