Cracóvia: O tesouro da Polónia

Cracóvia: O tesouro da Polónia

Cracóvia: O tesouro da Polónia

Artigo de Redação

Cracóvia é uma das mais antigas cidades da Polónia, com povoações que datam de há 20 000 a. C. Segundo reza a lenda, foi construída em cima de uma caverna de um dragão que o mítico rei Krak matou. No entanto, a primeira menção oficial do nome da cidade foi feita em 966 por um mercador judeu de Espanha, que a descreveu como um centro importante na Europa eslava.

Foi capital do governo geral nazista durante a II Guerra Mundial e mantém ainda um ar de seriedade que fica mais evidente no Campo de Concentração de Plaszow e na fábrica de Oskar Schindler. Tanto o centro histórico como o bairro judeu estão repletos de cafés, lojas e “pubs” e a Praça do Mercado, com quatro hectares de extensão, é um verdadeiro banquete medieval para os sentidos.

Situada nas margens do rio Vístula, na região da Pequena Polónia, a cidade remonta ao século VII. Tradicionalmente um dos principais centros da vida académica, cultural e artística da Polónia e um dos polos económicos mais importantes, foi Capital Europeia da Cultura no ano 2000.

O que fazer

Há muito para ver e fazer em Cracóvia. Pode visitar monumentos seculares impressionantes, deliciar-se com vistas encantadoras, obras de arte de classe mundial e curiosidades impressionantes.

Explore a Cidade Velha em Stare Miasto, o centro histórico de Cracóvia com as suas igrejas góticas e a gigantesca Praça do Mercado (Rynek Glówny), uma das maiores praças de cidade na Europa.

Visite Kazimierz, berço da cultura judaica, e em Wawel, o Castelo Real, casa de três dinastias dos reis da Polónia, e a Catedral de Wawel, um impressionante santuário nacional da Polónia e peça central de Cracóvia.

Há um número de lugares que também vale a pena explorar, entre os quais, as minas de sal de Wieliczka e os vales verdejantes que cercam Ojcow.

A cidade de Cracóvia possui 42 parques públicos, incluindo a floresta Las Wolski sobre o conjunto de colinas.
A não perder o anel Planty, de cerca de 30 jardins, que circunda o bairro histórico da Cidade Velha. O Parque Jordana, com as suas instalações de lazer, uma lagoa, pátios de voleibol e basquetebol, é um bom local para relaxar um pouco.

O jardim botânico de Cracóvia foi criado em 1779 e hoje possui cerca de cinco mil plantas. Situado no centro da cidade, é um verdadeiro oásis.

O que ver

Basílica de Santa Maria (Kosciól Mariacki)
Fica num dos cantos da grande praça do mercado de Cracóvia, a Rynek Glowny. A fachada em tijolos com duas torres assimétricas pode não parecer espetacular, mas o seu interior é deslumbrante. A nave é um festival de sensações, com dezenas de capelas, altares, púlpitos e colunas encimadas por um teto estrelado. De hora a hora, um toque de trompa é feito na torre mais alta. A melodia é cortada abruptamente, em memória de um homem cuja garganta foi atravessada por uma flecha tártara ao tentar avisar a cidade sobre a iminente invasão.

Cidade Velha da Cracóvia

O Centro Velho da Cracóvia e o seu casario medieval, repleto de igrejas históricas, é um dos pontos focais do Leste Europeu e a maior atração turística no Sul da Polónia. Foi declarado Património da Humanidade pela Unesco em 1978. O local ideal para iniciar um passeio por aqui é a ampla e agradável Praça do Mercado, a Rynek Glowny. Uma das maiores do género no continente, é dominada pelo salão renascentista das guildas comerciais, o Sukiennice. No seu interior encontram-se diversas e variadas lojas de recordações.

Vale a pena conhecer também o Barbican – uma torre defensiva que protegia uma das portas da cidade, a de São Floriano –, a igreja gótica de Corpus Christi, o templo barroco de Pedro e Paulo e a escura igreja de Santo Estanislau, o primeiro santo polaco. Nesta última, um pouco fora do centro, encontra-se um tipo de panteão nacional, onde estão as tumbas de várias figuras nacionais de renome.

Minas de sal de Wieliczka

Um passeio bastante popular é a visita às minas de sal de Wieliczka, 15 km a sudeste da cidade. No seu interior encontram-se dezenas de esculturas, baixos-relevos e até uma igreja completa, que levou 30 anos para ficar construída. Muito dos trabalhos originais foram feitos pelos próprios mineiros.

Bairro judeu de Kazimierz

Durante séculos, os judeus de Cracóvia foram segregados e viveram na então vila de Kazimierz, fundada no século XIV. Com a expansão da cidade, o local tornou-se num bairro da cidade e lar de uma grande comunidade. Ali construíram lojas de comércio, casas e sinagogas, até chegar a II Guerra Mundial, que destruiu tudo e todos.

Para conhecer um pouco da História e o sofrimento dos judeus, visite o Museu Judaico, na antiga sinagoga, a mais remota de seu género na Polónia, datada do século XV. Aqui foram rodadas muitas cenas do filme “A Lista de Schindler”, de Steven Spielberg.

Castelo de Wawel

Reserve pelo menos meio dia para se encantar por este castelo, embora todas as atenções estejam voltadas para a catedral e a área do palácio, que contém os Apartamentos Reais Privados e os Salões de Estado.

Esta magnífica catedral é o local de repouso final de uma infinidade de importantes religiosos e antigos monarcas polacos. Destaque para a capela de Sigismundo, que guarda o corpo dos reis Sigismundo I e II, e o mausoléu de Santo Estanislau. Capital do país de 1038 a 1569, aqui estão os restos de 39 dos 45 monarcas do país e também alguns heróis nacionais, como Tadeusz Kosciuszko, e poetas, como Adam Mickiewicz.

Já a área do palácio é um “tour” por uma série de aposentos com uma serena decoração. Muito além da simples ostentação, os amplos e claros salões que envolvem o grande pátio dão uma clara noção de nobreza e poder.

Igreja e santuário de Skalka

A igreja de Skalka, em estilo barroco, é considerada uma das mais sagradas, não só de Cracóvia, mas de toda a Polónia. Oficialmente chamada de Igreja de São Miguel Arcanjo, Santo Bispo e Mártir Estanislau e Mosteiro de São Paulo Eremita, a sua História está intimamente ligada a Estanislau, executado aqui pelo tirano monarca Boleslau II, em 1079. Enquanto o rei foi exilado, o bispo viria a ser canonizado, tornando-se santo padroeiro dos polacos. Tornou-se, então, um ritual entre os reis deste país a peregrinação a Skalka, trazendo consigo um pedido de perdão sobre os crimes do seu predecessor. No século XIX, parte de alguns dos mais ilustres cidadãos polacos passaram a ser sepultados na cripta, uma espécie de panteão nacional.

Próximo à igreja, também poderá ver o exterior do mosteiro, junto ao rio Vístula, uma fonte de águas sulfurosas e o altar do terceiro milénio, onde se encontram sete pilares com imagens de santos e católicos, ícone da história local, como o Papa João Paulo II, antigo cardeal da região.

< >

Guia do viajante

Onde ir

Castelo de Wawel
Planty

Onde comer

Restauracja Starka
Trezo Restauracja

Onde ficar

Metropolitan Boutique Hotel
Hotel Grodek
Hotel Senacki
Metropolitan Boutique Hotel
Hotel Grodek
Hotel Senacki
Restauracja Starka
Trezo Restauracja
Castelo de Wawel

Percorra o Caminho Real todo, desde o Portão de São Floriano, descendo a Florianska, atravessando a Rynek Glówny e descendo a Grodzka para chegar ao Castelo de Wawel.

Ouça o Hejnal Mariacki (literalmente, a alvorada de Santa Maria; um sinal de trompete) enquanto bebe um café na Rynek Glówny. O sinal é tocado por um trompetista de hora a hora, desde o cimo da torre mais alta da Igreja de Santa Maria, e o som para abruptamente antes de acabar, em memória de um trompetista morto por uma seta tártara em 1241.

Planty

Vagueie no Planty, o enorme parque que rodeia o centro histórico.
No Castelo de Wawel, relaxe e apanhe sol nas margens do rio Vístula. Vá ao Covil do Dragão, uma caverna no castelo, e veja o dragão a expelir fogo.
Domingo de manhã cedo, vá às compras no mercado ao ar livre da Plac Nowy e da Hala Targowa.

Veja o património da cidade e visite Auschwitz e as minas de sal nos arredores da cidade com a Private Krakow Tours, por exemplo.

Clima

Existem quatro estações, sendo o verão húmido e quente (cerca de 30-35°C). O inverno cobre de neve a Cracóvia com dias extremamente frios (-5º C a -20º C) e setembro pode ser um mês muito húmido. Em junho/julho a temperatura pode ultrapassar os 30º C. Os meses de setembro e outubro têm temperaturas médias a situarem-se entre os 10º e os 15º C.

Documentos

Os cidadãos portugueses estão isentos de visto, sendo obrigatória a apresentação de bilhete de identidade, cartão de cidadão ou passaporte válido nos postos fronteiriços.

Outras Informações

Condições de segurança: A Polónia é considerada um país seguro, no entanto, há que registar frequentes assaltos nas principais estações de comboio e serviços associados, incluindo no interior do próprio comboio durante as viagens. Assaltos, por vezes envolvendo “pequenos bandos”, visam essencialmente bagagens, documentos e dinheiro, pelo que se aconselha os viajantes a manterem-se atentos em relação aos bens (nunca os deixando sozinhos, nem fora de alcance visual) e a guardarem, em local discreto, os de maior valor. Atenção particular ainda – como de resto em qualquer parte – aos locais particularmente movimentados e com grandes aglomerados, sobretudo, junto dos principais hotéis e caixas multibanco. Compras: O âmbar do báltico, presente na cultura e na arte da Polónia desde o começo dos tempos, é o produto-estrela deste país. É impossível recomendar uma joalharia para comprar peças com âmbar, pois a variedade é imensa e todas têm algo bonito. Se não procura âmbar e joias, o melhor são as lojas Cepelia, onde encontrará o melhor do artesanato polaco. Tome nota: Na Polónia é proibido o consumo de álcool nos lugares públicos, tais como parques, praças, largos, ruas. Essa regra não se aplica às esplanadas dos bares, cafés e restaurantes.

Partilhar Artigo

Top