Mendoza, um paraíso na Argentina para enófilos e apreciadores de alta montanha

Mendoza, um paraíso na Argentina para enófilos e apreciadores de alta montanha

Mendoza, um paraíso na Argentina para enófilos e apreciadores de alta montanha

Artigo de André Cruz Martins

A Argentina sempre foi um grande consumidor de vinhos mas não os produzia com grande qualidade. Tudo começou a mudar na década de 80 do século passado, quando alguns produtores da província de Mendoza passaram a aplicar as mesmas técnicas usadas na Califórnia. E as uvas Malbec, que não eram muito consideradas pelos enófilos, ganharam um novo poder ao serem plantadas em terras mais altas.

Em poucos anos, esta província no centro-oeste da Argentina ganhou um importante estatuto internacional no domínio vinícola. E embora esteja situada numa região árida, possui um extenso sistema de irrigação artificial, que permite o bom desenvolvimento das uvas. É precisamente o vinho que faz com que Mendoza seja um dos destinos turísticos argentinos que mais cresceu nos últimos anos.

Algumas adegas a visitar

Não é exagero considerar-se Mendoza um dos melhores destinos para enófilos do mundo. Possui mais de 130 adegas abertas a visitas e degustações que produzem principalmente vinhos Malbec. As regiões mais desenvolvidas são Luján de Cuyo, Maipú e Valle de Uco.

Leia ainda: À descoberta de Zagreb, a vibrante e histórica capital da Croácia

A Bodega Catena Zapata, em Valle de Uco, é uma das adegas mais conceituadas. Para além da prova de vinhos, destaca-se a arquitetura única deste lugar, com um prédio em forma de pirâmide. Faça a sua reserva com pelo menos duas semanas de antecedência.

A Bodega Salentein, também em Valle de Uco, possui capacidade para mais de cinco mil barris e durante algumas degustações é possível assistir a concertos musicais. Não deixe ainda de visitar a Capilla de la Gratitud e a Galería Killka, uma exposição permanente de alguns artistas argentinos e holandeses. A Bodega Lagarde, em Luján de Cuyo, destaca-se por oferecer uma degustação com maiores quantidades de vinho. Por isso, o aconselhável é aproveitar para almoçar ou jantar no excelente restaurante da adega.

O tour de alta montanha

Para lá dos vinhos, em Mendoza é indispensável fazer o tour de alta montanha, que dura um dia inteiro. O ponto de partida é a cidade de Mendoza e ao todo são 400 quilómetros de ida e volta. Existem várias agências que disponibilizam o serviço, que normalmente dura entre as 7H00/7h30 e as 19h00/19h30. Pode em alternativa alugar um carro e explorar por si próprio.

Veja também: O paraíso está a 30 milhas náuticas das Seychelles

Todas as atrações ficam ao longo da Ruta Nacional 07 e estão muito bem indicadas ao longo do trajeto. Não deixe de fazer uma paragem na Represa Potrerillos, responsável por abastecer a cidade de Mendoza durante a época de seca. Daqui vai ter uma vista deslumbrante para o lago Mendoza e para as montanhas.

O ponto mais alto (4200 metros de altitude) é o Cristo Redentor de Los Andes, em Vilarejo las Cuevas, que marca a fronteira entre a Argentina e o Chile. E durante a temporada de esqui (entre junho e setembro) as excursões param sempre na Estação de Esqui Los Penitentes, para quem quiser aventurar-se cerca de meia hora a uma hora neste desporto.

Parque General San Martín

Na província de Mendoza, também vale a pena passar uma manhã ou uma tarde no Parque General San Martín. Trata-se de uma enorme área verde, ideal para passear e andar de bicicleta. O património florestal abrange mais de 300 espécies nativas da América do Norte, Ásia, Europa e Austrália.

Percorra a galeria e veja mais fotos de Mendonza.

< >

Partilhar Artigo

Top