Ogimachi, Suganuma e Ainokura, três aldeias históricas no Japão que conservam tradições ancestrais

Ogimachi, Suganuma e Ainokura, três aldeias históricas no Japão que conservam tradições ancestrais

Ogimachi, Suganuma e Ainokura, três aldeias históricas no Japão que conservam tradições ancestrais

Artigo de André Cruz Martins 15-10-2019

15-10-2019


Ogimachi, Suganuma e Ainokura são três aldeias históricas japonesas Património Mundial da Humanidade. Chegar lá não é fácil, mas começaram a receber mais visitantes desde que em 1995 passaram a ser Património Mundial da Unesco. As três aldeias estão situadas num vale remoto, cercado por montanhas altas e escarpadas que recebem muita neve no outono e no inverno.

Durante muito tempo, a região ficou conhecida como “a última área inexplorada do Japão” mas a situação tem vindo a mudar. No entanto, se estiver a pensar visitar a zona não se assuste, porque está muito longe de haver um turismo de massas.

O rio Sho e as casas com um telhado peculiar

O rio Sho fica no centro desta região. Nasce nas montanhas do sul e depois flui para o norte em direção ao Mar do Japão, ao longo de um vale profundo e sinuoso. Está cercado por imponentes montanhas que se elevam a uma altura de 1.500 metros. Como resultado desse terreno íngreme, a maioria das aldeias nessa área está situada em faixas estreitas de terra ao longo do fundo do vale.

Leia ainda: Os comboios noturnos japoneses onde pode viajar com todo o luxo ou a dormir no chão

O isolamento das aldeias levou ao desenvolvimento de uma cultura e tradições únicas, incluindo as suas casas em estilo Gassho- zukuri. Este estilo caracteriza-se por um telhado de palha íngreme e inclinado, semelhante a duas mãos unidas em oração.

É possível pernoitar nestas casas

A finalidade destes telhados é facilitar a remoção da neve. A cada 20 ou 30 anos, é necessário trocar a palha do telhado. Juntam-se mais de 300 pessoas, entre moradores e voluntários, que em apenas dois dias realizam esta operação em todas as casas.

Estas casas são bem maiores do que as habituais casas japonesas. Têm três ou quatro andares porque no passado acolhiam famílias numerosas. Outra razão é porque antigamente os moradores criavam bichos-da-seda dentro das casas. Os turistas podem pernoitar nestas casas juntamente com os seus residentes.

Atrações a conhecer

Estas três aldeias estão bem servidas de museus e restaurantes que vale a pena visitar. Outro bom programa é fazer caminhadas pelas montanhas e florestas da zona. Pode também dar uma saltada aos campos de arrozais que são muito populares na área.

Veja também: Quioto, o Japão tradicional dos Templos e das Gueixas

Mas o mais interessante é mesmo ter contacto com a população local. E perceber que os seus habitantes mantêm tradições ancestrais, vivendo de forma muito parecida como no início do século XIX, sem as mordomias e tecnologias dos dias de hoje.
E enquanto caminhamos pelas ruas, é muito habitual cruzarmo-nos com mulheres que usam o kimono tradicional.

Percorra a galeria e veja as melhores fotos destas três aldeias históricas.

< >

Partilhar Artigo

Top