Palermo, a mais conquistada cidade do mundo

Palermo, a mais conquistada cidade do mundo

Palermo, a mais conquistada cidade do mundo

Artigo de Redação

Com um lindíssimo porto, praias assombrosas e montanhas alcantiladas, Palermo tem sido povoada desde tempos imemoriais. Repleta de culturas em constante mutação e mudando constantemente de alianças políticas e comerciais, já foi considerada a “mais conquistada cidade do Mundo”.

< >

A antiga Palermo

Nos primórdios da História siciliana, Palermo foi habitada por um povo conhecido por Sicani – poderão ter chegado à ilha por volta de 8000 a. C. – e as suas manifestações artísticas povoam as paredes das cavernas de Adduara, nos arredores de Palermo. Viveram numa relativa calma e pacificamente até ao ano 734 a. C., quando chegaram invasores por via marítima.

Os Sicanis foram conquistados pelos Fenícios, mas estes nunca conseguiram aproveitar na totalidade o seu rico porto, em parte devido aos vizinhos Gregos, que invejavam a sua excelente localização.

Os gregos não foram o único problema de Palermo

Claro que os Gregos não foram o único problema; a seguir vieram os Cartagineses, também interessados no poderio económico da cidade. Depois das Guerras Púnicas, Palermo tornou-se uma colónia romana, constituindo um dos mais importantes postos comerciais no extremo do império. Construíram estradas, templos e banhos públicos, que ainda hoje podem ser admirados. Naturalmente, a beleza e o valor comercial da cidade tornaram-na um alvo para os invasores germânicos, que a tiraram das mãos dos Romanos no Séc. V.

Entretanto, a Sicília começava a ser colonizada pelos Sarracenos, que, vindos do Norte de África, renomearam cidades e construíram elegantes mesquitas, de acordo com a sua crença religiosa. Cercaram Palermo em 831 e chamaram-lhe Balharm, tencionando transformá-la num centro de cultura islâmica que conseguisse rivalizar com Cairo e Córdoba. Foi capital da Sicília arábica até 1072.

A beleza e valor comercial da cidade faziam com que fosse um alvo

Naturalmente, nenhuma cidade muçulmana estava a salvo dos Cruzados naquela altura. Reconquistada por estes em 1072, Palermo entrou, então, numa época dourada arquitectónica – as mesquitas foram convertidas em igrejas e construíram-se novos castelos. Muitas das edificações construídas nesta data ainda hoje são verdadeiras maravilhas, como a igreja de San Giovanni degli Eremiti, a Cappella Palatina e o Oratorio di Santa Zita.

O capítulo seguinte da História de Palermo assistiu ao nascimento do Reino da Sicília e Nápoles. Em 1194, o Império Romano conquistou a ilha e o Palazzo dei Normanni tornou-se Palazzo Reale.

Usada como moeda de troca entre reis ingleses, espanhóis e germânicos, Palermo continuou a crescer em prosperidade e beleza. Chegou a ser um dos mais prósperos estados de toda a Europa, patente nos imponentes edifícios da altura. A arquitectura barroca acabou por dominar o desenvolvimento e estes edifícios estão ainda muito bem preservados para os visitantes modernos explorarem.

Palermo chegou a ser usada como moeda de troca entre reis

Aliando-se ao Reino de Nápoles em 1734, Palermo acabou por perder alguma importância. Diversas alte-rações políticas começaram a ter lugar em 1848, terminando com uma grande sublevação popular em 1860, quando o reino da Itália anexou a ilha e voltou a investir no desenvolvimento da região. Nasceu a Via della Libertá, assim como muitos edifícios em estilo art noveau, como o Grand Hotel Villa Igiea.

No Séc. XX, Palermo tentou passar incólume pelo tempo, mantendo-se muito sossegadinha e escapando ao período fascista sem qualquer alarido. No entanto, em 1943 foi invadida e fortemente bombardeada pelas forças aliadas, cujas cicatrizes, ainda hoje, se fazem notar na geografia da cidade. Posteriormente à guerra, vieram a lume as histórias sobre a Cosa Nostra e contrabandistas, que encheram inúmeras páginas de jornais e fazem as delícias dos turistas.

Felizmente, tal como em toda a Sicília, a História está a repetir-se em Palermo. Fundos que a Itália conseguiu na adesão à União Europeia estão a ajudar a desenvolver a região e a reconstruir a cidade. Muitos acham que uma nova era dourada está prestes a começar.

Compras

Vucciria
É o mais conhecido mercado de Palermo que funciona na Praça da Concordia e ruas adjacentes. É tão tipicamente siciliano que se transformou numa atracção turística. Pitoresco, com todos os cheiros que exalam das especiarias, e ruidoso ( vucciria significa “vozerio” em dialecto siciliano), este lugar parece um encontro do Oriente com o Ocidente.

< >

Guia do viajante

Onde ir

San Giovanni degli Eremiti
Palazzo Reale-orleans,
Catedral de Palermo
Chiesa del Gesù
San Domenico
Museo Antonio Salinas
Oratory of Santa Cita
Monreale
Zona Arqueológica de Agrigento
Hotel Palazzo Sitano

Onde comer

Ristorante B&B Simpaty
Temptation
La Scuderia
Trattoria ai Cascinari
Ristorante DONNA INA
Ristorante Cin Cin
Pasticceria Oscar
Bye Bye Blues
Ristorante Bellotero
Al Cancelletto Verde
Trattoria Al Vecchio Club Rosanero

Onde ficar

Grand Hotel Villa Igiea MGallery by Sofitel
Hotel Porta Felice
Hotel Plaza Opéra
Hotel Ambasciatori
Hotel Garibaldi
Hotel Vecchio Borgo
Hotel Mercure Palermo Excelsior City
Et Des Palmes
Residenza d’Aragona
Grand Hotel Piazza Borsa
Mercure Palermo Centro
Casena dei Colli
Grand Hotel Wagner

Clima

Uma das coisas boas ao visitarmos Palermo é sabermos que o tempo raramente nos impedirá de conhecer seja o que for, já que é temperado mediterrânico, raramente chovendo na Primavera no Verão. No Outono e no Inverno a quantidade de dias com precipitação pode alcançar os 40 por cento.

Documentos

Basta levar o cartão de cidadão (convém também levar o cartão europeu de seguro de doença).

Outras Informações

Moeda: Euro Idioma: Italiano Diferença horária: UTC/GMT + 1 hora

Partilhar Artigo

Top