O Oceanário de Lisboa recebe duas lontras-marinhas resgatadas no Alasca

O Oceanário de Lisboa recebe duas lontras-marinhas resgatadas no Alasca

O Oceanário de Lisboa recebe duas lontras-marinhas resgatadas no Alasca

Artigo de Redação

O Oceanário de Lisboa recebeu dois novos habitantes, as lontras-marinhas , o Odi e o Kasi, que nasceram no Alasca, em março e julho de 2017, respetivamente. Os dois machos juvenis vieram do Alaska Sealife Center, um centro de recuperação de animais marinhos que resgatou e reabilitou estas lontras que não poderiam ser devolvidas ao seu habitat natural. Os seus nomes derivam dos locais onde foram encontrados, enquanto o Odi foi resgatado perto da lagoa de Odiak, o Kasi foi encontrado na região de Kasilof.

Estas duas novas lontras-marinhas fazem agora companhia às fêmeas Micas e Maré, nascidas no Ocenário há 18 e 20 anos, respetivamente.

Segundo Núria Baylina, Curadora e Diretora de Conservação do Oceanário, «o processo de adaptação das lontra-marinhas correu como esperado. Estiveram em quarentena 30 dias, em constante monitorização, até estarem perfeitamente adaptadas às novas condições. A introdução no habitat do Pacífico e a aproximação às duas lontras-marinhas fêmeas foram um sucesso».

O Oceanário de Lisboa acolheu estas lontras-marinhas que foram resgatadas pelo Alaska Sea Life Center muito debilitadas, com menos de um ano de vida. Nestes casos, a reintrodução no habitat natural não é viável, uma vez que é durante o primeiro ano de vida que as crias aprendem com as progenitoras as regras básicas de sobrevivência, como procurar alimento e cuidar do pelo.

O apoio do Oceanário foi vital para garantir todos os cuidados necessários para a sobrevivência dos dois animais após o seu resgate.

Ao receber estas duas novas lontras-marinhas, o Oceanário de Lisboa reforça o seu compromisso de contribuir para a proteção da biodiversidade marinha e de sensibilizar os visitantes para a conservação do oceano.

Sobre a lontra marinha

Enhydra lutris
Estatuto de Conservação segundo a Lista Vermelha da «International Union for Conservation of Nature» (IUCN): Em Perigo

A lontra-marinha está muito bem adaptada à vida marinha, no entanto, ao contrário da maioria dos mamíferos marinhos, não tem uma camada de gordura espessa debaixo da pele que a isole do frio. Por essa razão, tem o pelo muito denso, sendo o animal com mais pelo do planeta, com cerca de 155 mil pelos por centímetro quadrado.

Passa grande parte do dia a tratar do pelo, espalhando uma gordura que o torna impermeável e ajuda a reter bolhas de ar, essenciais para flutuar e para manter a temperatura do corpo.

Tem também um metabolismo muito acelerado (para manter a temperatura) e por isso precisa de comer, todos os dias, o equivalente a 30 por cento do seu peso, o mesmo que um humano adulto consumir cem hamburgueres por dia. Este mamífero pode passar a vida na água, inclusive durante a reprodução e a gestação, de seis meses, que pode ser prolongada se as condições ambientais não forem favoráveis.

É o único mamífero marinho que ainda apresenta características de animais terrestres: patas dianteiras como o cão, dentição de carnívoro, orelhas e até sobrancelhas. Utiliza ferramentas, conseguindo partir conchas com pedras.

Saiba mais sobre o Oceanário aqui.

Redes sociais do Oceanário:

Facebook: https://www.facebook.com/Oceanario.de.Lisboa

Instagram: https://www.instagram.com/oceanariodelisboa/

< >

Compartilhe o artigo

Top