Bruxelas, Meca do estilo, arte e design

Bruxelas, Meca do estilo, arte e design

Bruxelas, Meca do estilo, arte e design

Artigo de Redação

A capital belga está rapidamente a tornar-se numa verdadeira “meca de estilo”, arte e “design”. Ao mesmo tempo que atrai cada vez mais nomes da moda internacional, os “designers” estão também a ganhar rapidamente notoriedade. As ruas de Bruxelas respiram arte e arquitetura criadas sob um inimitável estilo belga.

< >

La Grand Place

Com os ornamentos barrocos e frontarias das casas em estilo gótico, esta praça é considerada Património Mundial da UNESCO e é uma das mais bonitas de toda a Europa. Construída como um mercado no século XIII, é o centro da cidade de Bruxelas e um bom local para apreciar a hospitalidade belga num dos seus muitos cafés. É igualmente palco de inúmeros concertos e espetáculos ao longo de todo o ano e, nos meses mais quentes, tem um mercado de flores diário.
A maior parte dos edifícios, tanto públicos como privados, data do século XVII e a arquitetura fornece uma boa ilustração do nível social e da vida cultural desse período neste importante centro político e comercial.

A mais antiga referência escrita ao Nedermarckt (mercado baixo), como era originalmente conhecido, data de 1174; o nome atual começou a ser usado no último quartel do século XVIII.

Fica localizado num antigo terreno pantanoso, na margem direita do rio Senne, a leste do Castellum, uma fortaleza defensiva no exterior do castelo, construída em 977 por Charles de France, duque da Baixa Lotharingia. O pântano foi drenado no século XII, dando origem ao que viria a ser mais tarde a Grand Place.

No século XVI muitas das casas foram reconstruídas com fachadas barrocas ou renascentistas, mas a 14 de agosto de 1695, Luís XIV de França ordenou ao marechal Villeroy que bombardeasse a cidade, como vingança pela destruição de diversas cidades costeiras e portos franceses pelos navios holandeses e britânicos. Apesar da violência dos bombardeamentos, a reconstrução foi rápida, graças à ação das autoridades da cidade e ao contributo generoso de outras cidades e províncias. Em quatro anos, a Grand Place foi completamente reconstruída, ficando com o desenho e a aparência originais.

Câmara municipal (Hotel de Ville)

O primeiro edifício em que se repara ao entrar na Grand Place é a câmara municipal, em estilo gótico, datado do século XIII. As suas bonitas fachadas ostentam diversas esculturas, encimadas pelo Arcanjo Miguel. Há visitas guiadas ao interior, que contém obras de arte e tapeçarias dos séculos XVI, XVII e XVIII.

Manneken Pis

Esta pequena mas famosa estátua de um rapazinho a urinar numa fonte é o perfeito exemplo do irreverente humor belga. Este ícone da capital da Bélgica fica localizado na esquina da Rue de L’Etuve e Stroofstraat, desde 1619. Ao longo do tempo, tornou-se tradição oferecer miniaturas desta estátua aos chefes de Estado que visitam o país. O guarda-roupa deste Manneken Pis pode ser admirado no museu da cidade, situado na Grand Place, e inclui 760 modelos diferentes. Até existe um fato igual ao de Elvis Presley…

Atomium

Construído para a Feira Mundial de 1958, o Atomium representa uma molécula de nove átomos, aumentada 165 mil milhões de vezes. Um verdadeiro símbolo da cidade de Bruxelas, oferece uma vista privilegiada sobre esta metrópole e os seus arredores. As nove esferas que compõem a molécula estão interligadas por escadas rolantes. O Atomium alberga um museu, restaurante e é igualmente palco de inúmeros eventos.

No verão, pode tomar parte de uma atividade única: a Death Ride, uma descida direta desde o topo da esfera mais alta – são mais de 100 metros!

Catedral de Saint Michel e Gudule

Esta magnífica catedral, dedicada aos dois santos padroeiros da cidade de Bruxelas, está localizada perto da Estação Central e foi completada no final do século XV, em estilo gótico, mas bastante danificada pelo bombardeamento francês de 1695. A fachada, em pedra branca, data de 1250 e o interior é ricamente decorado.

Ganhou estatuto de catedral em 1962 e, desde então, tem sido a residência do Arcebispo de Malines-Bruxelas, a par da Catedral de Santo Rombouts, em Malines.

Não pode deixar de admirar os vitrais e o confessionário do século XVI, o púlpito (século XVII) e o carrilhão (1975). A catedral sofreu profundas obras de restauro entre 1983 e 1999, durante as quais foram descobertas as ruínas de uma igreja e de uma cripta românicas sob o coro.

O palácio real (Palais Royal)

Esta é a morada oficial do rei belga, atualmente Filipe I, com 54 anos. Filipe ascendeu ao trono em 21 de julho de 2013, data em que o pai, Alberto II, abdicou. É fácil saber se o rei se encontra em território belga, pois, nesse caso, a bandeira nacional estará hasteada no topo do palácio, uma obra-prima da arquitetura neoclássica, sobranceiro ao Parque de Bruxelas. O palácio real é aberto ao público nos meses de verão.

Coudenberg

Um passeio subterrâneo para descobrir os restos do Palácio do Imperador Carlos V. Desde a Idade Média, o castelo olhava para Bruxelas a partir da colina de Coudenberg. Do século XII em diante, os sucessivos monarcas e seus representantes transformaram a pequena fortaleza numa residência sumptuosa e apalaçada, uma das mais bonitas da Europa da altura e uma das principais de Carlos V. O edifício foi consumido por um enorme incêndio em 1731 e, 40 anos depois, as ruínas foram demolidas e o chão terraplanado para a construção do novo distrito real. Os restos deste palácio são o núcleo do centro arqueológico de Coudenberg.

Durante a visita, descobrirá a Rue Isabelle e as velhas estruturas dos edifícios principais do antigo Palácio de Bruxelas, que são hoje parte das fundações do atual distrito real e da Casa Hoogstraeten, onde as descobertas mais interessantes reveladas durante os trabalhos de escavação estão expostas.

Praça do Grand Sablon

Esta praça pitoresca situa-se no declive que divide a cidade de Bruxelas em duas. Está repleta de butiques chiques, cafés e esplanadas ao ar livre, restaurantes e bares da moda.

O Grand Sablon é igualmente conhecido pelo seu mercado de antiguidades ao ar livre, que atrai vendedores e compradores de todos os cantos do Mundo.

Praça do Petit Sablon

Fica situada mesmo por cima da Praça do Grand Sablon e, originalmente, era um mercado de cavalos, tendo sido convertido em 1890 num elegante jardim florido, com fontes exuberantes, cercadas de vedações de ferro forjado e decoradas com pequenas estátuas. Um dos locais preferidos para relaxar, com uma vista estupenda.

< >

Guia do viajante

Onde ir

Museu de Arte Antiga
Museu Magritte
MIM (Museu dos Instrumentos Musicais)
Galeria dos Dinossauros
Real Museu de Belas Artes da Bélgica
Centro Belga de Banda Desenhada
Museu Horta
Museu Hergé
Museu do Cinquentenário
Museu Judeu

Onde comer

C’est Bon, C’est Belge
Le Wine Bar du Sablon des Marolles
Bia Mara
Alexandre
Le Chou de Bruxelles
Abrussel
San Daniele
Il Viticolo
Kafenio
Le Pigeon Noir

Onde ficar

Made in Louise
Sofitel Brussels Europe
MAS Residence
Suite Home Stephanie,
Hotel Amigo
Brussels Marriott Hotel,
Four Points by Sheraton Brussels
Astrid Centre Hotel Brussels
Hotel Astoria Brussels by Tiara

Clima

Os invernos são frios (média de 3º C), com neve e temperaturas negativas, e verões temperados (média de 17º C, podendo atingir os 30º C, mas raramente passa desses valores). O melhor mês para ir será em maio, quando a temperatura sobe e o ar primaveril faz-se sentir. A precipitação ocorre com a mesma intensidade em todos os meses, não havendo período de estiagem, nem das cheias, ao contrário de outras capitais europeias. A média de precipitação mensal é de, aproximadamente, 70 mm. A média de precipitação por ano é de 840 mm. Por causa desse fator, é uma cidade quase sempre húmida.

Documentos

Para estadias breves, os cidadãos da União Europeia não necessitam de documentos para além do cartão do cidadão.

Outras Informações

Moeda Euro Idioma Francês, flamengo e alemão. Fuso horário UTC/GMT + 1 hora (horário de verão + 2 horas).

Partilhar Artigo

Top