O fantástico leitão não é a única razão para visitar a Mealhada

O fantástico leitão não é a única razão para visitar a Mealhada

O fantástico leitão não é a única razão para visitar a Mealhada

Artigo de André Cruz Martins

Não há que enganar. Leitão é a primeira palavra que imediatamente associamos à Mealhada. E não poderia ser de outra forma, pois a cidade tem uma rua cheia de restaurantes onde é possível degustá-lo. Aliás, muitas pessoas fazem dezenas ou mesmo centenas de quilómetros para provar o famoso Leitão da Bairrada.

Ao contrário do Leitão de Negrais, o da Mealhada é assado inteiro e no espeto, e não aberto e na grelha. Aconselhamos três restaurantes para provar este prato dividinal. O Pedro dos Leitões reclama ter sido o primeiro a servir a especialidade à moda Bairrada. o Rei dos Leitões e O Castiço são outras duas boas opções. Diferenças entre os três? Impercetíveis à primeira vista, pois o leitão é delicioso em todos e cozinhado da mesma forma, surgindo sempre à mesa bem estaladiço. A acompanhá-lo, nada melhor do que espumante.

Dois locais a visitar

Para lá do fantástico leitão, há várias outras razões para visitar a Mealhada. Por exemplo, conhecer o Centro de Interpretação Ambiental da Mealhada, que foi inaugurado em 2015 no Parque da Cidade. O seu objetivo é despertar as pessoas para a necessidade do desenvolvimento sustentável. Recorrendo a meios audiovisuais e atividades pedagógicas, é abordada a importância da preservação da água, da floresta e das espécies animais.

Leia ainda: A bonita cidade do Cartaxo onde o bom vinho está sempre presente

Na freguesia da Pampilhosa, visite o Museu Etnográfico, que ocupa uma antiga casa agrícola do século XVI. Aqui podemos observar muitos objetos ligados à vida agrícola, ao artesanato, e à arte sacra. E ainda elementos arqueológicos de tempos passados na região.

Um passeio pelo Buçaco

Se estiver pelo concelho da Mealhada, não deixe ainda de visitar a fantástica Mata Nacional do Buçaco. É sem dúvida um dos locais mais bonitos de Portugal e um oásis de tranquilidade. Foi plantada pela Ordem dos Padres Carmelitas Descalços, no primeiro quartel do século XVII.

Com 549 metros de altitude, a sua localização geográfica confere-lhe um microclima muito específico, com temperaturas amenas. A precipitação é elevada e costuma haver nevoeiros matinais, que favorecem a presença de elevada biodiversidade. Existem diversos trilhos sinalizados com diferentes níveis de dificuldade que proporcionam caminhadas revigorantes.

Veja também: Sortelha, a aldeia medieval no concelho do Sabugal que nos faz viajar no tempo

Destacamos o Trilho da Água, que se encontra numa linha de água que percorre o Vale dos Fetos. Tem duração aproximada de duas horas e grau de dificuldade médio. O ponto de partida e de chegada é no posto de informação. Os seus principais pontos de interesse são o Vale dos Fetos, a Fonte Fria, a Fonte do Carregal, a Fonte de Santa Teresa, a Fonte de Santo Elias e a Fonte de S. Silvestre.

Alojamento de luxo em comunhão com a natureza

Se quiser ficar hospedado em plena Mata Nacional do Buçaco num ambiente de grande luxo e requinte, o Palace Hotel do Buçaco é a escolha ideal. Foi construído entre 1885 e 1917 para os últimos Reis de Portugal. Está sumptuosamente mobilado e decorado com muitos frescos, quadros valiosos e magníficos painéis de azulejos que representam a Epopeia dos Descobrimentos Portugueses e a Batalha do Buçaco.

Destaca-se pela majestosa sala de jantar do Palácio, que antigamente recebia manjares Reais e que hoje em dia acolhe um restaurante de luxo. Aqui é servida cozinha portuguesa reinventada e possui garrafeira própria, constituída pelos vinhos de renome mundial do Buçaco. O preço médio de uma refeição fica nos 60 euros. Possivelmente deve estar a pensar que os preços para ficar alojado no Palace Hotel do Buçaco são proibitivos. De facto, se ficar na Suite do Rei, paga em média 670 euros por noite, mas um quarto clássico fica apenas por 120 euros.

Percorra a galeria e veja mais fotos da Mealhada.

< >

Partilhar Artigo

Top