A misteriosa Baku, capital do Azerbaijão, tem segredos fantásticos para serem revelados

A misteriosa Baku, capital do Azerbaijão, tem segredos fantásticos para serem revelados

A misteriosa Baku, capital do Azerbaijão, tem segredos fantásticos para serem revelados

Artigo de André Cruz Martins

Baku, capital do Azerbaijão, não costuma fazer parte dos roteiros turísticos, mas é um destino que vale a pena conhecer. Fica nas margens do Mar Cáspio e o seu nome significa “cidade fustigada pelo vento”, devido às tempestades e invernos rigorosos. A primeira dica é pois que marque a sua viagem para a primavera ou para o verão. Há voos desde o aeroporto de Lisboa para a capital do Azerbaijão, todos com pelo menos uma escala. Vai durar no mínimo nove horas a lá chegar, mas asseguramos que vai valer a pena.

Uma torre e um palácio muito especiais

Apesar de ser capital, Baku não é uma cidade muito grande e em apenas um dia é possível visitar os seus principais pontos turísticos. Ao caminhar pelo centro histórico, é imprescindível que faça uma paragem na Torre da Donzela. Trata-se de um monumento histórico construído no século IX e que é Património Cultural Mundial da UNESCO.

Leia ainda: À descoberta da Birmânia, um destino no sudeste asiático que preserva tradições milenares

De acordo com a lenda, os reis aprisionavam jovens virgens, ou donzelas, em casamentos forçados. Hoje em dia, funciona como um museu que explica a história de Baku ao longo dos séculos. Do seu topo tem-se uma fantástica panorâmica de 360º para a cidade e para o mar.

Ainda pelo centro, não pode perder o Palácio dos Shirvanshahs, uma impressionante obra arquitetónica. No século XV, a dinastia Shirvanshah, sob o governo de Ibrahim I de Shirvan, transferiu a capital do país de Shemakha para Baku e empreendeu a construção do palácio. O complexo contém o edifício principal do palácio, o Divanhane, o cemitério burial vault, a mesquita de shah com um minarete e o mausoléu de Seyid Yahya Bakuvi.

A enorme Baku Boulevard

Fora do centro, um excelente programa é passear pela Baku Boulevard, um enorme calçadão cheio de árvores. Pelo meio, vai encontrando vários monumentos. Tem qualquer coisa como 25 quilómetros, sendo conhecido como “calçadão de Copacabana”, numa comparação com o famoso caminho pedonal do Rio de Janeiro.

Veja também: Quirguistão, a Suíça da Ásia espera por si

Existem várias atrações nesta zona. A começar pela Mini Veneza, onde é possível realizar um passeio de gôndola motorizada pelos canais. Prosseguindo pelo Museu Nacional do Tapete, que conta com mais de 10 mil artigos em exposição, com destaque para os incríveis tapetes persas. E não nos podemos esquecer da Baku Eye, uma roda gigante semelhante à que existe em Londres.

A parte mais moderna da cidade

As Flame Towers são o ícone da modernidade de Baku. São três torres muito altas que se destacam de todas as outras construções da cidade. Numa das torres fica o famoso Hotel Fairmont. Durante a noite, as torres são iluminadas, proporcionando um efeito visual muito bonito.

Mesmo ao lado das Flame Towers encontra-se o Parque Upland, no topo de uma colina. Para lá chegar pode apanhar um funicular ou então subir muitas escadas. Daqui pode apreciar uma das melhores vistas sobre a cidade. Neste local existe ainda um memorial que presta homenagem aos soldados mortos desde a Primeira Guerra Mundial, principalmente aos falecidos no célebre “janeiro negro” de 20 de janeiro de 1990. Nesse dia, ocorreu em Baku uma ação do exército soviético para parar a violência entre arménios e azeris, que resultou em 128 mortos.

Percorra a galeria e veja mais fotos de Baku.

< >

Partilhar Artigo

Top